Até que enfim, o fim dos favores

Em maio próximo, o ex-árbitro Riomar Mendes e o gerente de futebol do Baraúnas, Zezinho Mossoró, irão ao Rio de Janeiro representando o clube no curso que os credenciará a realizar transferências internacionais. A informação foi passada pelo próprio Riomar, presente colaborador tricolor. Até hoje, apenas ABC, América e Alecrim possuem essa prerrogativa. Eles foram os únicos que aproveitaram a oportunidade dada pela CBF em conjunto com a FNF, quando o mesmo curso foi ministrado há alguns anos aqui no RN, gratuitamente. Os demais desprezaram a oferta e, desde então, vivem de favores, quando necessitam transferir algum atleta vindo de outro país. Se computados os prejuízos causados pelo desleixo, verá que isso já deveria ter sido feito há muito tempo. Mas, antes tarde do que nunca. O Baraúnas parece que acordou para esse detalhe. Falta o Potiguar ter o mesmo despertar.

Vaninho x Vavá
O confronto entre Globo e Potiguar, hoje, em Ceará Mirim, promete. Além de uma luta direta pela vaga na Série D, os dois clubes possuem desafetos que se reencontrarão pela primeira vez, após a batalha campal puxada por ambos no clássico Potiba de 2014.

É uma ciência
Francamente, não entendi o que fez o Potiguar. Pediu a transferência internacional do atacante João Batista, treinou o atleta, e até o apresentou em seu site, mas não assinou contrato e acabou liberando-o no mercado.

É uma ciência II
Essa dispensa acontece logo após a liberação de Carlos Alberto. Por ser da casa, JB representava um baixo investimento. Agora o Potiguar vai ao mercado importar, gastar bem mais, sem ter a certeza do que virá.

Só no improviso
Ainda não se tem notícias sobre o novo lateral-esquerdo que o Potiguar negocia. Enquanto isso, tome improviso na posição. Hoje vai deslocar o volante Odair para o setor. Cobre a cabeça, descobre os pés.

Mãos santas
Ele não entra em campo, mas faz jogadores retornarem às batalhas com rapidez. O massagista Oliveira é comemorado entre os tricolores como uma das melhores contratações do clube nesta temporada.

Aposta baixa
Não creio em muitas mudanças no cenário para o segundo turno. Pelo vi nesse interim, a maioria tende a repetir o papel desempenhado na primeira fase. Este é um dos certames mais previsíveis dos últimos anos. Um ou dois, no máximo, pode virar o jogo.

Frente dupla
A 93 FM entra em campo logo mais, às 16h, para transmissão do Estadual. Em Mossoró, Jaedson Freitas narra Baraúnas x Assu. Estarei no Barretão, levando o ouvinte para a beira do gramado, para ver Potiguar x Globo. Ouça e sinta a diferença.

A semana na história
Quinta-feira (10), o ex-jogador de Baraúnas e Potiguar, Fábio Gomes, completa 30 anos de idade. Meia-atacante habilidoso, encerrou carreira cedo por um motivo bem comum por essas bandas: desilusão com a profissão. Ainda bate um bolão.

Frase
“Entrega teu ‘caminhão’ ao senhor” – João Filho, torcedor do Baraúnas, fortalecendo a fé no time para o segundo turno, em uma versão própria da passagem bíblica.

 

 

Tem que ser preto no branco

A primeira tentativa de o Potiguar negociar com o atleta Luiz André, que acionou o clube na Justiça do Trabalho, o que resultou no bloqueio das rendas do Alvirrubro no Estadual, foi em vão. A causa, que gira em torno de R$ 97 mil é quase o valor do patrocínio da Prefeitura.

O curioso nessa história, é que o Potiguar conseguiu tirar todas as suas Certidões Negativas de Débito (CND’s), o que inclui a da Justiça do Trabalho, requisitos obrigatórios para disputar competições oficiais. O fato serve de alerta aos nossos clubes para a importância do zelo na relação com seus empregados.

Nos casos de rompimento ou mesmo após término do contrato, não basta apenas apertar a mão e desejar boa sorte (ou em alguns casos, mandar procurar seus direitos). O clube tem que negociar e se cercar de todas as precauções legais para não ser surpreendido por ações trabalhistas. No caso Potiguar x Luiz André, até agora o Alvirrubro não explicou como o processo correu à revelia, ainda mais tendo vários advogados competentes em suas fileiras. Seja lá o que tenha ocorrido, a conta chegou.

Prevenção, o melhor remédio
Um posicionamento falho dos clubes, referente às relações complicadas com atletas, é não se calçar para eventual rompimento. Arrolar testemunhas e fazer B.O (quando for o caso), ajudam a fortalecer a tese da demissão por justa causa. Normalmente, os indisciplinados são os mais propensos a acionarem o clube na justiça. Invertem valores, mas por falta de acusações formais, transformam-se em mocinhos aos olhos da Lei.

Inovando
O ABC entrou na vanguarda ao lançar seu Portal da Transparência, com atualização mensal. Um desafio a muitas administrações. Confira no www.abcfc.com.br/transparencia/.

Alerta
Acaba na próxima sexta-feira (4), o prazo para inscrição de jogadores para o restante do Estadual, conforme o regulamento da competição. Quem tem pendências e pretensões, é bom correr.

TJD
Terça-feira (1º), o Baraúnas volta ao banco dos réus do TJD. Agora, por invasão de campo no jogo contra o ABC. O Tricolor está incluso em dois artigos, cada um com pena pecuniária que vai de R$ 100 a R$ 100 mil.

TJD II
Os fatos dessas invasões, já conhecidas do torcedor, não chegam a ser graves. Portanto, acredito em uma pena mais branda. Só não creio em absolvição, pois abriria precedentes. Outro agravante é o fato do clube ser reincidente.

Representado
Ainda sobre o assunto do julgamento do Baru, hoje o torcedor vive mais tranquilo, devido a atuação abnegada do advogado Cléber Silveira. Ultimamente, não se tem ouvido mais “revelia”, palavra que arrepia.

Sinta a diferença
A 93 FM transmite neste domingo (28), a partir das 15h30, as emoções da final do 1º turno do estadual, entre América x Globo. Estarei com César Santos, Jaedson Freitas e Magnos Alves, levando o ouvinte para dentro da decisão. Confira. É como se você estivesse à beira do gramado.

A semana na história
Quinta-feira (3), o ex-jogador Onesimar completa 55 anos de idade. Formado no Potiguar, era um zagueiro técnico e impunha respeito. Suas qualidades o levaram à Seleção do Rio Grande do Norte. Parabéns!

Frase
“Estamos reforçando o Timão. Acabei de contratar um tal de Lero-Lero” – Vicente Matheus, quando residente do Corínthians, se referindo a Biro-Biro.

A velha ACDP, hoje em ruínas e sem qualquer serventia ao Potiguar, foi palco de competições de vôlei. Na imagem, disputa a céu aberto, quando ainda não havia ainda o ginásio.

A velha ACDP, hoje em ruínas e sem qualquer serventia ao Potiguar, foi palco de competições de vôlei. Na imagem, disputa a céu aberto, quando ainda não havia o ginásio.

O bonde do primeiro turno

O ABC demitiu Narciso e emplacará o segundo turno com outro comandante. Por consequência, deve dispensar e contratar reforços. Tradição mantida. ABC e América usam o primeiro turno para observar, analisar e economizar, pois sabem que possuem calendário nacional no segundo semestre e precisam guardar fôlego financeiro para investimentos maiores, que ocorrem a partir do segundo turno. Caso não conquistem nada no primeiro turno, vão com toda força para a reta final.

Clube menor que pretende conquistar vaga em competições nacionais, regionais e até na grande final do Campeonato Potiguar, tem que planejar prioritariamente o primeiro turno do estadual. Não que a conquista do segundo turno seja impossível, mas que o caminho até lá se torna mais longo e espinhoso. Quem fez a leitura correta e se planejou para colher frutos, foi o Globo. Se vai conquistar alguma coisa, não dá para prever, mas o que vier diferente é exceção e não regra. É bom pensar nisso e agir daqui por diante.

Tem se preparado pra isso
Uma das provas do planejamento do Globo é que o time de Ceará Mirim tem garantido participação frequente nas competições nacionais nos últimos anos, tanto que já subiu no ranking da CBF. Lá, Marconi Barreto é presidente o ano todo, e não apenas quando se aproxima o Estadual.

Publicidade
A Prefeitura já admite rever posição de não patrocinar a dupla Potiba e até pediu nova proposta, não sei se por mera formalidade, para apagar uma imagem de antipatia e intransigência, ou se de fato vai reconsiderar.

Publicidade II
O fato é que Potiguar e Baraúnas, vivendo sufoco extremo, propuseram R$ 200 mil em oito vezes para ver se cai R$ 100 mil na conta. A essa altura, para quem não tem muita perspectiva, tudo é lucro.

Publicidade III
Outro fato é que a verba para publicidade existe e nada foi cortado dos órgãos comandados por aliados políticos (rádio, tv, portal, jornal, blogs e etc). Cortar do futebol nada tem a ver com o financeiro. Acredite.

Mudou tudo
Vencendo hoje o ABC, o Potiguar já está na final, certo? Errado. Precisa ainda torcer por um tropeço do América diante do Baraúnas. Então ninguém vai me convencer que o empate com o Assu não mudou nada.

Pedra no sapato
Também foi a derrota para o Assu, na estreia, que complicou a jornada tricolor. Nesse caso, com um time inconsistente, apenas três jogadores no banco de reservas e um deles a meia-boca, o Leão foi presa fácil.

Tem, mas tá faltando?
O primeiro turno acabou e nada de o atacante Robert ganhar condições de jogo no Baraúnas. Essa é uma situação que incomoda o atleta, o treinador, diretoria, torcedor e papagaio. O que justifica manter o atleta?

A semana na história
O ex-goleiro Ramon, com passagens por Potiguar e Baraúnas, completa na próxima quinta-feira (25), 31 anos de idade. Parou cedo devido a desilusão com a profissão. Hoje é funcionário público em Itabira-MG.

Frase
“O torcedor tem que colaborar. Esse é um valor ilusório” – De um torcedor do Baraúnas, falando sobre o preço do ingresso durante programa de rádio, em Mossoró. O valor é bem real, mesmo que seja irrisório.

Baraúnas, de 2005: Vander Silva (preparador físico), Isaías, Agnaldo, Nildo, Pedroza, Paulo Júnior, Ronaldo e Romão (preparador de goleiros); Oliveira (massagista), Célio, Cícero Ramalho, Toni, Da Silva, Álvaro e Luciano (mordomo).

Baraúnas, de 2005: Vander Silva (preparador físico), Isaías, Agnaldo, Nildo, Pedroza, Paulo Júnior, Ronaldo e Romão (preparador de goleiros); Oliveira (massagista), Célio, Cícero Ramalho, Toni, Da Silva, Álvaro e Luciano (mordomo).

O trilhar do apito

Potiba 2015

A arbitragem brasileira, que em tese teria que passar despercebida, é sempre mais notícia do que deveria. E, invariavelmente, de forma negativa. Pior, nunca confessa culpa e exala corporativismo incondicional.

Jogador, treinador, dirigente, todos dão entrevista. Árbitro, não. Nunca estão autorizados a falar sobre o espetáculo em que atuam, mas querem direito de imagem. São blindados, mesmo tendo gerado o próprio desgaste.

No RN, não é de hoje, os árbitros se levantam contra o direito dos clubes em solicitarem arbitragem de outros estados. E quando há o inverso? Quando são escalados para jogos fora do RN, eles rejeitam, por acaso? Não, né? Por que, então, ainda fazem teste para quadro da CBF? Por que sonham em apitar além-fronteiras, se não admitem sequer que colegas venham apitar aqui? Reserva de mercado? Um tanto contraditório, não? Mas contradição e incoerência não são faltas previstas na regra do jogo. Apenas uma falha individual da natureza humana ou, nesse caso, bem coletiva.

Para o Brasil ver
O Baraúnas pode voltar ao banco dos réus, do TJD, por invasão de campo no jogo em que venceu o ABC. Embora o relatório não cite os nomes dos invasores, um deles é o radialista Joãozinho, mostrado em imagens do Esporte Interativo para todo o Brasil. Ele entrou no gramado para comemorar a vitória ao lado dos jogadores. Por sua natureza, caráter e intenções, não ofereceu riscos, mas nem por isso deixou de ser uma figura estranha ao jogo, daí a citação em súmula.

Cumplicidade
A questão da presença de pessoas estranhas à beira do campo no Nogueirão tem, em muitas vezes, a conivência de pessoas ligadas aos clubes, que permitem o acesso pelos vestiários. Outros entram por um portão lateral que deveria ser restrito a profissionais apenas em exercício e devidamente credenciados.

Sem jeito
Em entrevista no último sábado (13), ao radialistas Jota Nobre, na Rádio Difusora (1.170kHz), o prefeito Francisco José Júnior praticamente descartou, em função da crise, patrocínio aos clubes este ano. Repasse zero.

De graça
Ao imprimir a marca da Prefeitura nas camisas, apenas pela promessa, Baraúnas e Potiguar corriam o risco de trabalharem de graça, como de fato ocorreu, diferente de outros espaços usados e bem pagos pelo Município.

Replanejamento
Pegos de surpresa, os clubes têm sofrido com esse desfalque. Mas deveriam saber que, cedo ou tarde, esse dia chegaria. Precisarão planejar a partir de agora para ter o dinheiro público como extra e não receita efetiva.

Periquito
O Alecrim será julgado nesta segunda-feira (15), no TJD, pelo atraso de 56 minutos, no início da partida contra o Palmeira, disputada em Ceará Mirim. Na ocasião, faltava o desfibrilador, item obrigatório em todos os jogos.

Viúvas
Todo clube parece ter as suas, sempre prontas ao luto. No ABC, há quem se derreta pelo retranqueiro Leandro Campos. No Assu, Hugo Sales. Aqui, Moroni reinou. Sem falar em jogadores, como Índio, Maurício Pantera e Vaninho. Ah, tem Paulinho Andrade. Tem gente que chora por esse até hoje.

A semana na história
A segunda-feira (15), o bom fixo de futsal, Neto Caraúbas, completa 33 anos. O atleta, que defende o Cresol/Marreco-PR, já atuou por Sumov (CE), Russas (CE), Ponta Grossa (PR), Afusca (RS) e Ampere (PR). Parabéns!

Frase
“Depois do Potiba, a “cabra” vai fumar” – Josirene Ribeiro, presidente do Baraúnas, projetando dispensas no clube. Foi para não deixar dúvidas que jogaria duro com o elenco. Cobra, cabra, bode. O zoológico inteiro.

Iniciativa de destaque

 

homenageados GAP

O Grupo de Apoio ao Potiguar (GAP) tem promovido homenagens, em dia de jogos, com entrega de comendas a jogadores que ajudaram a fazer a história do clube. Essas homenagens acontecem em vida, e a meu ver são as mais significativas a qualquer ser humano, pois que pode curti-las ao lado dos seus. Elevam a autoestima de muitos que já se viam esquecidos.

Foram homenageados, até aqui, Júnior Xavier, representando uma geração anterior, e Erivan, Márcio Cardoso e Hermano, que fizeram parte do título de 2004.

Me agrada o estilo e iniciativa dos jovens que compõem o GAP. Sua iniciativa prova que personalidade é algo que transcende a idade. Que legal que eles valorizam a memória da instituição, mesmo que a maioria sequer tenha visto alguns dos homenageados em ação. Basta o fato de saberem que eles existem e, vivos ou não, contribuíram para o Potiguar ser o clube de massa que incontestavelmente é. Estão eternizados na história da instituição que amam.

Meu respeito a todos.

Agora vai, acho
Agora o atacante Robert, depois de dois meses no Baraúnas, deve ganhar condição de jogo. O Baraúnas depende do ABC para intermediar transferências internacionais. Como o Leão jogava com o Alvinegro no sábado, ninguém iria esperar que o clube natalense agilizasse a regularização de um jogador para armar o adversário. Ou acreditava?

Habilitar-se
Baraúnas e Potiguar devem incluir em seu planejamento, o envio de representantes ao Rio de Janeiro para fazer na CBF, o curso que habilita os clubes a realizarem transferências internacionais. É um investimento.

Habilitar-se II
Não precisarão, a partir desse curso, pedirem mais a ABC e América o favor que hoje atendem, mas a seu tempo e interesse. Depois disso, podem começar a pensar em discutir, um dia, sua profissionalização.

Limpando
Depois de ter pago salário atrasado ainda referente à pré-temporada, o Baraúnas deve oficializar algumas dispensas. Além de questões técnicas, também há denúncia de incursões de alguns profissionais na noitada.

Limpando II
As dispensas já estavam pré-definidas antes mesmo do clássico Potiba, há uma semana. Áudio vazado da presidente Josirene Ribeiro, em um grupo de WhatsApp, revelou a decisão.

Deu em nada
Se falou muito no preço dos ingressos, quando o Potiguar determinou em R$ 40 antecipado e R$ 50 na hora, o valor para seus jogos iniciais. Mesmo vindo de vitórias e líder, o clube baixou os preços. O resultado da bilheteria foi inferior. E agora?

Reaprendendo a andar
O campeonato estadual caminha para sua metade e o patrocínio da Prefeitura para Potiguar e Baraúnas ainda não saiu. Nem se sabe quanto, quando, nem mesmo se sairá. A dupla começa a sair da zona de conforto e aprender, na marra, que precisa administrar mesmo sem a municipalidade.

A semana na história
Neste domingo (7) é o aniversário de 37 anos do vice-presidente do Potiguar, o contador Max Luis.

Frase
“Motel Replay, lá você encontra cadeira elétrica, para aumentar seu prazer” – Elias Júnior, na época, repórter da Rádio Libertadora (1.430 kHz). Seria cadeira erótica, mas como o prazer é um conceito muito individual, então este pode ser um instrumento para a galera sadomasoquista.

De volta ao passado

 

Nogueirão - INAUGURAÇÃO

Aos poucos, ano após ano, remontamos através do Nogueirão, um cenário que nos remete aos primórdios do futebol local.

É o que vem ocorrendo com as constantes interdições, totais ou parciais, do nosso estádio. Agora, o público só pode utilizar os setores de cadeiras e por trás das traves. O próximo passo é reativar o setor da geral, pois do chão ninguém passa. Caminhamos para isso.

Chego a acreditar, de fato, que nossa principal praça de esportes, que deveria servir de cartão postal da cidade, como ocorre Brasil a fora, não tem a menor importância para os gestores públicos que se sucedem e nos submetem a uma vergonha (que eles não possuem) e humilhação sistemáticas. Já nos iludiram com uma maquete reluzente e depois com uma municipalização. No discurso, uma maravilha. Na prática, nada mudou.

Vivemos de TAC’s (Termo de Ajuste de Conduta) aqui, uma redução de público acolá, até que um dia não sobrará mais o que utilizar. Melhor que fosse logo assim, pois aí não viveríamos mais a ilusão de que temos um estádio de futebol. No máximo, um campinho murado, como foi no princípio.

Duas pesquisas em 2015 e discussão está aberta

Baraúnas e Potiguar aparecem em posições diferentes nas duas pesquisas

Baraúnas e Potiguar aparecem em posições diferentes nas duas pesquisas

O assunto em destaque nas últimas horas é a pesquisa do Instituto Smart Pesquisa de Opinião, realizada entre 28 de novembro e 7 de dezembro passados, encomendada e divulgada pela FNF.

Nessa pesquisa, entre outros dados coletados, foi aferida a preferência clubística do torcedor potiguar. O resultado aponta a manutenção da liderança, no estado, do ABC, com o América em segundo, com uma diferença que configura um empate técnico. O terceiro é o Baraúnas, seguido do rival Potiguar.

Ocorre que as discussões em torno do tema já começaram, sobretudo com a contestação dos torcedores alvirrubros. É que outra pesquisa, também feita ano passado, entre 6 e 8 de abril, pela Consult, o resultado é outro, o que apimenta a discussão.

Na pesquisa do início do ano, da Consult, o quadro não muda em relação a liderança e vice. Mas quando parte para o interior, há uma alteração na panorâmica, com o Potiguar liderando com quase o dobro dos votos do rival, Baraúnas.

A seguir, os números das duas pesquisas para o torcedor tirar suas próprias conclusões e ir munido para as rodas de discussões do futebol. Mas tudo na paz, por favor.

Pesquisa Consult/Blog do BG/Meio Dia Cidades, realizada no período, 6 a 8 de abril de 2015, com aplicação de 1.500 entrevistas em 51 municípios do RN: ABC (28,27%), América (26,53%), Potiguar (4,07%), Baraúnas (2,27%).

Pesquisa Instituto Smart/FNF, feita entre 28 de novembro e 7 de dezembro de 2015, com um universo de 500 pessoas pesquisadas em seis municípios (Natal, Ceará-Mirim, Goianinha, Assú, Mossoró e Caicó): ABC (30%), América (28,82), Baraúnas (10,59%), Potiguar de Mossoró (9,02%).

Redescobrindo um velho conhecido

 

diego 3A aproximação do campeonato e a imaturidade do atual elenco, ainda forçam alguns dirigentes e colaboradores a pensarem em reforços no Baraúnas, para alguns setores. Mas a pretensão esbarra nas limitações financeiras do clube. A situação do meia Da Silva, por exemplo, que aparenta ainda estar distante de sua forma ideal, conspira a favor da contratação de mais um meia, pelo menos.

Há duas semanas, o Baraúnas jogou em Upanema, contra o selecionado local, e o técnico Givanildo Sales encantou-se com o meia adversário. Era Diego, que já teve uma boa passagem pelo Tricolor. Qualidades como toque de bola, visão de jogo e disciplina tática levaram o treinador a dizer que conversaria com a diretoria a seu respeito. Mas, como disse, com cofres vazios, qualquer aquisição implica em lançar mãos de recursos inexistentes. E o Baraúnas está na conta do chá. É para se entender, mas também para se preocupar. E me parece que não é só no meio que há lacunas no elenco tricolor. E sobre Diego, ele não é nenhum garoto e está distante de ser um gênio, mas é versátil, experiente, eficiente e para a posição, usando um termo do momento, tem precinho de Black Friday.

Campeonato Potiguar com oito times e dois rebaixamentos. É possível

Foto reprodução

Foto reprodução

Com o Coríntians entregando carta de desistência do Estadual, será inevitável a implantação de uma nova tabela e uma nova fórmula.

Teremos um campeonato com oito clubes, número que pela conjuntura do futebol potiguar é, ao meu ver, ideal. Mais que isso, é só quantidade e nada mais.

Agora com oito times, o regulamento muda. E já que será alterado, é bom pensar em um realinhamento do Estadual para estancar a queda de qualidade técnica crescente que se observa a cada temporada e, consequente desinteresse do público.

Nessa linha de raciocínio, imagino algumas possibilidades.

Primeiro, com a desistência de Santa Cruz e Coríntians, que em tese só deveriam disputar a segunda divisão em 2017, os dois poderiam ser anistiados de alguma punição e teriam facultadas suas participações na divisão de acesso já do ano que vem.

Segundo, se poderia implantar um novo sistema com dois rebaixamentos, ao invés de um. Aumentaríamos, assim, as emoções na disputa da divisão principal. Por tabela, contagiaríamos também a segunda divisão, que deixaria de ser enfadonha e atrairia um número maior de participantes.

Já imaginou, a divisão de acesso de 2016, com Santa Cruz (Inharé), Coríntians de Caicó, Potyguar, Currais Novos, Mossoró, Santa Cruz (São Gonçalo), Força e Luz e Clube Atlético Potengi? O Estadual passaria a ter oito clubes na primeira e oito na segunda, com dois descensos e dois acessos, algo jamais visto.

Seria calendário mais extenso para o futebol e opção maior de emprego para os jogadores, que poderiam (caso não sejam contratados para disputarem o Brasileiro) mudar da primeira divisão, ao seu término, para a segunda, mantendo níveis técnicos semelhantes. Mas teria de haver alguma contrapartida da Federação, com algum incentivo financeiro, como ocorre em alguns estados. Para quem só arrecada, nada mais justo que dar sua parcela de contribuição. Acredito que será aí o grande problema.

Não sei o que fará a FNF, a partir de hoje, com a desistência do Coríntians. Mas não será por falta de opções que permitirá que o Estadual continue sendo desinteressante para muitos.

 

 

Convivendo com o passado

LUCÃO - SERGIPE

O clube criou a expectativa e o torcedor comprou a ideia. No fim, Lucão, anunciado pelo Baraúnas como referência para o time no ataque, acertou com o Luverdense-MT.

É verdade que não tem como concorrer com o poder financeiro do rival, mas não foi essencialmente para o clube matogro-ssense que o Baraúnas perdeu, e sim para sua lentidão em definir, algo que se pensava extinto no clube.

Lucão aguardou mais de uma semana por uma posição do Tricolor, que não chegou, fato revelado por seu empresário. Aí, leia-se posição como adiantamento salarial, ou luvas, termo mais tradicional.

A luva é um dispositivo de pouco uso na atualidade por aqui, mas reativado sempre que um atleta sente necessidade de garantias. É que a fama tricolor no mercado, como mau pagador, ainda ecoa. Isso penaliza a atual gestão, ainda tímida em termos de renovação. Vai suar, enfrentar ainda desconfianças, mas nada como uma sequência administrativa séria e comprometida, como aparenta se propor, para mudar a imagem e evitar que a antiga prática das luvas volte a ser rotina. Enquanto isso, vai precisar dormir menos para agir mais.

Sobre o F9

A partir de Mossoró, segunda maior cidade do Rio Grande do Norte, escrevemos sobre esportes, com ênfase para o futebol, nossa maior paixão. Notícias, vídeos, tabelas, opinião e tudo o mais que nos move pela estrada da informação esportiva. Somos uma equipe apaixonada pelo tema e compromissada com a verdade.