O que, infelizmente, ainda não podemos oferecer

Embora a diretoria do Potiguar tenha anunciado acerto, o ex-jogador Agnaldo Fidélis acabou rejeitando a proposta para assumir a função de auxiliar técnico do clube. O motivo, simples. Não há uma consistência na oferta, algo que garantisse qualquer tipo de segurança ou projeção para um trabalho a médio e longo prazo.

Todo profissional busca isso e não seria diferente com Agnaldo. Militando hoje na crônica esportiva, o profissional revelou que só algo substancial poderá desviar seu foco atual. E não foi isso que o Potiguar ofereceu. Não há como se questionar sua postura.

Infelizmente, nosso futebol não tem condições de garantir isso ainda a qualquer profissional que seja, por isso a rotatividade ainda é algo forte por aqui. A sazonalidade é ruim em todos os aspectos e a palavra que baseia qualquer projeto profissional na economia nacional é a estabilidade, algo que infelizmente ainda estamos distantes de conhecermos e oferecermos.

Se liga!
Nesta segunda-feira (30), o comandante do 2º Batalhão de Polícia de Mossoró, Major Maximiliano Luiz, será um dos entrevistados por mim no FM 7 Horas, da 93 FM. A violência das torcidas será o tema principal. Perguntas pelo WhatsApp 98141-9370. Participe!

Fiscalização
A utilização de fogos de artifício, nas arquibancadas, pelos torcedores, registrada pela arbitragem na súmula do Potiba, revela quão falha é a fiscalização na entrada e durante os jogos no Nogueirão.

Fiscalização II
Antes do clássico, deu para ver claramente alguns torcedores soltando rojões dentro do estádio. Ou intensifica a fiscalização ou vai se continuar pagando por isso. E não é difícil ver o que sai mais caro.

Perda indiscutível
O Potiguar também perde com a saída de Edinho em relação às bases. Nos últimos anos, era ele quem vinha trabalhando as categorias inferiores, descobrindo e lapidando novos talentos. Jogadores como Sávio, Yuri, Marinho, Jú, Ciel, Fernandes, Alef, entre outros, passaram por suas mãos.

Nada de amadores
Ainda sobre as bases, o clube não pode retroceder, entregando a mãos amadoras uma missão tão importante quanto essa. É só olhar para a história recente e ver quantos jogadores foram revelados e serviram ao time profissional, como agora, antes de esse trabalho ser conduzido por um profissional.

Bem na fita
O Baraúnas tem tudo para ser finalista do turno. A vitória do clássico pode ser o combustível para embalar na disputa. Sua campanha surpreende, devido a juventude do elenco e renovação promovida no grupo. Premia o trabalho de Marquinhos Mossoró e toda comissão técnica.

Bom teste
Hoje, o Baraúnas enfrenta um time em ascensão e com as mesmas chances de êxito. O Assu é, historicamente, difícil de ser batido, mas o momento tricolor é melhor. Foco é a palavra de ordem para ambos os lados. Quem encarnar esse espírito, sairá vencedor.

A semana na história
Nesta segunda-feira (30), o ex-zagueiro do Potiguar, Ivson, campeão estadual pelo clube em 2013, completa 30 anos de idade. Parabéns!

Frase
“Cambalhota já está recuperado. Agora ele vai iniciar recuperação na bicicleta geométrica” – Chico Massagista, quando trabalhava no Baraúnas, em 2012.

Imagem

União Sport Master, que no dia 10 de janeiro completou 17 anos: Ivanílson Carlos, Ricardo Alves, Flávio, Luizão, Nenê. Das Chagas, Daniel, Maninho e Morais. Hidelbrando, Luiz Carlos, Chiquinho, Jairo, Primo, Zé Nílton e Oliveira.

ANUNCIE AQUI!
ANUNCIE AQUI!
ANUNCIE AQUI!
ANUNCIE AQUI!
ANUNCIE AQUI!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze − 11 =