Empresário e Potiguar sinalizam que contratação de Jefinho pelo Fortaleza melou e defendem exames

O desdobramento da situação do atacante Jefinho, artilheiro do campeonato estadual, aponta uma nova página quanto a situação com o Fortaleza.

 

As primeiras informações apontavam uma arritmia cardíaca no jogador, constatada no primeiro exame. De acordo com o empresário Márcio Cardoso, mais quatro exames foram realizados (eletrocardiograma, esteira ergométrica, entre outros) e rechaçavam a arritmia, ou seja, o jogador estaria apto para atuar normalmente.

 

Um outro exame, considerado bastante caro e que só poderia ser realizado em São Paulo, teria sido solicitado, mesmo após a nova bateria e diagnósticos. O valor chegaria a R$ 30 mil e, portanto, não seria interessante ao tricolor.

 

No entanto, a situação não acaba aqui. O radialista Marcos Lopes, através de uma fonte de dentro do Fortaleza, informou que o problema, na verdade, seria um impasse contratual entre clube e empresário.

 

Em reportagem para a TCM, o representante do atacante reiterou a boa negociação com o presidente do Fortaleza, Marcelo Paz, e confirmou que Jefinho segue com propostas para atuar no futebol português, situação onde ele exigiu uma cláusula no contrato, que teria sido aceita pelo clube cearense.

 

O tom de Márcio Cardoso, bem como do Potiguar neste momento, é de fim de acordo com o time cearense. Tanto empresário como o Potiguar preferem "blindar" o jogador neste momento e buscar novas alternativas no mercado para a atuação.

 

Fato é que o fez o acordo "melar" ainda está no meio obscuro, palavra usada pelo próprio empresário.